Menu

O que é o rácio rápido de uma empresa?

rácio de rapidez

O Rácio Rápido, também conhecido como rácio de teste ácido, é um rácio de liquidez que mede a capacidade de uma empresa para pagar as suas obrigações de curto prazo com os seus activos mais líquidos.

Este rácio é considerado uma medida mais rigorosa de liquidez do que o rácio corrente porque inclui apenas activos que podem ser rapidamente convertidos em dinheiro, tais como caixa e equivalentes de caixa, títulos negociáveis e contas a receber.

O rácio rápido é calculado dividindo o total do activo circulante de uma empresa pelo total do passivo circulante.

Um rácio rápido de 1,0 ou superior é geralmente considerado bom, pois significa que a empresa tem dinheiro suficiente para cobrir as suas obrigações a curto prazo.

Um rácio de liquidez imediata inferior a 1,0 pode indicar que a empresa está a ter dificuldades em cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O rácio rápido é apenas uma ferramenta para avaliar a saúde financeira de uma empresa, e deve ser considerado em conjunto com outros rácios e indicadores financeiros.

Como calcular o rácio rápido

O Rácio Rápido é calculado dividindo o total dos activos rápidos de uma empresa pelo total do seu passivo corrente.

Os "activos rápidos" são os activos que podem ser rapidamente convertidos em dinheiro, tais como caixa e equivalentes de caixa, títulos negociáveis e a parte das contas a receber que pode ser cobrada.

Os passivos a curto prazo são as obrigações que se vencem no prazo de um ano.

A fórmula do rácio de liquidez imediata é a seguinte

  • Rácio rápido = Activos rápidos / Passivos a curto prazo.

Por exemplo, digamos que uma empresa tem 1 milhão de euros em activos correntes e 500 000 euros em passivos correntes. O rácio de liquidez imediata seria de 2,0 (1 milhão de euros/ 500 000 euros).

Isto significa que a empresa tem duas vezes mais activos correntes do que passivos correntes e, por conseguinte, deve ser capaz de cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O que é um bom rácio rápido?

Um rácio rápido de 1,0 ou superior é geralmente considerado um bom rácio, pois indica que os activos rápidos são pelo menos suficientes para cobrir dívidas de curto prazo.

No entanto, é importante ter em conta que o rácio rápido é apenas uma das várias ferramentas que podem ser utilizadas para avaliar a saúde financeira de uma empresa.

Outros factores, como o rácio de liquidez corrente, o rácio de endividamento, a rendibilidade do capital próprio e outros, também devem ser considerados na tomada de decisões de investimento.

O que significa um rácio rápido baixo?

Um rácio rápido inferior a 1,0 pode indicar que a empresa está a ter (ou pode ter) dificuldade em cumprir as suas obrigações a curto prazo.

Isto pode ser um sinal de que a empresa está com problemas financeiros e pode não ser capaz de pagar as suas dívidas à medida que estas se vencem.

Os investidores devem ser cautelosos ao considerar empresas com baixos rácios de liquidez e devem sempre pesquisar uma empresa cuidadosamente antes de tomar qualquer decisão de investimento.

Os activos rápidos são os mesmos para todas as empresas?

Os activos rápidos são definidos, de uma forma geral, como os activos correntes mais líquidos que podem ser facilmente convertidos em dinheiro.

Para a maioria das empresas, isto significa que os activos rápidos estão limitados a apenas alguns tipos de activos:

  • Ativos rápidos = Caixa + Equivalentes de caixa + Títulos negociáveis + Contas a receber líquidas*.

*Contas a receber líquidas = O montante de contas a receber que pode ser cobrado do total geral.

Dependendo do tipo de activos correntes que uma empresa tem no seu balanço, pode decidir calcular os activos rápidos subtraindo as formas ilíquidas de activos correntes do seu balanço.

Por exemplo, as existências e as despesas pré-pagas podem não ser fácil ou rapidamente convertidas em dinheiro.

Por isso, uma empresa pode calcular os activos rápidos da seguinte forma:

  • Ativos rápidos = total de ativos circulantes - estoques - despesas pré-pagas.

Qual é a diferença entre o rácio de liquidez corrente e o rácio de liquidez imediata?

Tanto o rácio rápido como o rácio corrente são medidas da liquidez de uma empresa.

No entanto, o rácio rápido é mais rigoroso do que o rácio corrente porque apenas considera os activos líquidos no seu cálculo.

Isto significa que o rácio de liquidez imediata é um melhor indicador da capacidade de uma empresa para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O rácio corrente, por outro lado, inclui todos os activos correntes no seu cálculo, mesmo aqueles que não podem ser facilmente convertidos em dinheiro.

Por esta razão, o rácio actual não é um indicador tão preciso da liquidez a curto prazo de uma empresa.

Os investidores devem ter em conta ambos os rácios quando avaliam a saúde financeira de uma empresa.

Rácios de solvência e rácios de liquidez

A solvência e a liquidez são frequentemente consideradas a mesma coisa, mas existem diferenças importantes.

Solvência refere-se à viabilidade da empresa. A liquidez refere-se à capacidade de uma empresa cumprir as suas obrigações a curto prazo.

Uma empresa pode ser insolvente e ainda ter liquidez para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

No entanto, uma empresa insolvente tornar-se-á eventualmente ilíquida se não conseguir encontrar os fundos necessários para cobrir as suas dívidas e obrigações a longo prazo.

Por este motivo, a solvência é uma medida financeira mais importante do que a liquidez.

Os investidores devem sempre analisar cuidadosamente uma empresa antes de tomarem uma decisão de investimento.

No que respeita à solvência, os investidores analisam aspectos como o lucro e a margem brutos, o EBITDA, o rendimento líquido, o fluxo de caixa operacional, o fluxo de caixa livre e outros indicadores semelhantes.

Como pode uma empresa aumentar rapidamente o seu rácio de liquidez?

Há várias coisas que uma empresa pode fazer para aumentar o seu rácio de liquidez:

  • Reduzir os níveis de inventário
  • Vender activos não essenciais
  • Negociar prazos mais alargados com os fornecedores
  • Obter uma linha de crédito junto de um banco

Como cada empresa é diferente, a melhor forma de aumentar a liquidez varia de empresa para empresa.

É importante lembrar que existem contrapartidas para aumentar o fluxo de caixa.

Por exemplo, a venda de activos pode ajudar a curto prazo, mas pode prejudicar a empresa a longo prazo se esses activos forem parte integrante da empresa.

A liquidez é uma medida financeira importante, mas as empresas devem ter o cuidado de não sacrificar a viabilidade a longo prazo por ganhos a curto prazo.

Componentes do rácio rápido

O rácio de liquidez imediata tem várias componentes:

Caixa

O dinheiro é o mais líquido de todos os activos.

Pode ser utilizado para pagar dívidas imediatamente ou para financiar outras obrigações.

Por esta razão, o dinheiro é incluído no cálculo do rácio de liquidez imediata.

Equivalentes de caixa

Os equivalentes de caixa são investimentos a curto prazo que podem ser rapidamente convertidos em dinheiro.

São geralmente de muito baixo risco e têm flutuações mínimas de valor.

Os fundos do mercado monetário e os bilhetes do Tesouro são exemplos comuns de equivalentes de caixa.

Títulos negociáveis

Os títulos negociáveis são outro tipo de activo que pode ser rapidamente convertido em dinheiro.

No entanto, não são tão líquidos como o dinheiro ou os equivalentes de dinheiro, uma vez que podem demorar um pouco mais a ser vendidos.

Exemplos comuns de títulos negociáveis são acções, obrigações e ETFs.

Contas a receber líquidas

As contas a receber são montantes que uma empresa deve aos seus clientes.

Normalmente, têm de ser cobradas no prazo de 30 dias.

Por este motivo, não são tão líquidos como a caixa ou equivalentes de caixa.

Além disso, nem todas as contas a receber são necessariamente cobradas, daí a parte "líquida".

Por exemplo, uma empresa de cartões de crédito espera muitos pagamentos, mas nem todos pagam a factura a tempo ou pagam o montante devido.

No entanto, as contas a receber são mais líquidas do que as existências ou as despesas pré-pagas.

Passivo corrente

Os passivos correntes são obrigações que uma empresa tem de pagar no prazo de um ano.

Inclui itens como contas a pagar, despesas acumuladas e passivo corrente.

Para calcular o rácio de liquidez imediata, subtraia o passivo corrente do activo total.

Rácio de liquidez imediata vs. rácio corrente vs. rácio de tesouraria

O rácio de liquidez imediata, o rácio de liquidez corrente e o rácio de tesouraria são todos rácios de liquidez.

São utilizados para avaliar a capacidade de uma empresa para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O rácio de liquidez imediata é o mais conservador dos três, uma vez que inclui apenas os activos mais líquidos no cálculo.

O rácio corrente inclui todos os activos correntes, mesmo aqueles que não são tão facilmente convertíveis em dinheiro.

O rácio de liquidez é o mais tolerante dos três, uma vez que inclui no cálculo todo o dinheiro e equivalentes de dinheiro, mesmo aqueles que não estão imediatamente disponíveis.

Qual é o melhor rácio?

Não existe o "melhor" rácio de liquidez.

Os investidores podem optar por analisar os três rácios para obterem uma imagem completa da liquidez de uma empresa.

O rácio de liquidez imediata é um bom ponto de partida, uma vez que apenas considera os activos mais líquidos.

No entanto, o rácio corrente e o rácio de tesouraria também podem ser úteis em determinadas situações.

Por exemplo, o rácio de liquidez corrente pode ser mais relevante para empresas com muitas existências em carteira.

O rácio de tesouraria pode ser mais relevante para empresas com muito dinheiro em caixa e equivalentes de caixa.

Em última análise, cabe ao investidor decidir qual o rácio mais importante numa determinada situação.

Vantagens do rácio de liquidez imediata

O rácio de liquidez imediata tem várias vantagens:

  1. É um bom indicador da liquidez a curto prazo de uma empresa.
  2. É fácil de calcular e de compreender.
  3. Inclui apenas os activos mais líquidos no cálculo, pelo que é conservador.
  4. Pode ser utilizado para comparar empresas de diferentes dimensões.

Desvantagens do rácio de liquidez imediata

Existem também algumas desvantagens do rácio de liquidez imediata:

  1. Não tem em conta os activos ou passivos a longo prazo.
  2. Não inclui as existências no cálculo, mesmo que sejam um activo corrente.
  3. Pode não ser relevante para todas as empresas, especialmente para as que têm muitas existências em armazém.
  4. Pode dar uma falsa sensação de segurança se uma empresa tiver um rácio rápido elevado mas um rácio corrente baixo.

Os investidores devem sempre analisar os três rácios de liquidez (rápido, corrente e caixa) para obterem uma imagem completa da saúde financeira de uma empresa.

Comparação de corretores de bolsa

Corretores
Taxas de corretagem Equidades Taxa de gestão externa: 1€ por transacção
Taxa de corretagem: 1€ por transacção
Taxa de câmbio: 0,25%.
Sem comissões para um volume máximo mensal de 100.000 euros e depois 0,20%.
Conta de demonstração Não Sim
A nossa opinião Comissões de corretagem mais baixas do mercado em mais de 50 bolsas de valores. Trading sem comissões, mas com uma escolha de títulos limitada a 3.289 acções e 358 ETFs.
  DEGIRO XTB
O investimento envolve risco de perda

Rácio rápido - FAQ

O que é o rácio rápido?

O rácio rápido é um rácio de liquidez que mede a capacidade de uma empresa para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

É calculado dividindo o total de activos de uma empresa pelo seu total de passivos.

Como é calculado o rácio rápido?

O rácio de liquidez imediata é calculado dividindo o total do activo de uma empresa pelo total do passivo.

Para obter uma imagem mais precisa da liquidez, é importante subtrair quaisquer activos ilíquidos do numerador e adicionar quaisquer passivos não correntes ao denominador.

Um rácio de liquidez imediata elevado é melhor?

Não existe o "melhor" rácio de liquidez imediata, mas um rácio de liquidez imediata elevado é geralmente considerado melhor do que um rácio de liquidez imediata baixo.

Um alto índice de liquidez imediata indica que a empresa tem mais dinheiro do que dívidas e, portanto, é mais provável que seja capaz de cumprir suas obrigações de curto prazo.

Quais são as limitações do rácio de liquidez imediata?

O rácio de liquidez imediata tem várias limitações:

1. Não tem em conta os activos de longo prazo e todos os passivos (apenas os passivos de curto prazo).

2. Não inclui as existências no cálculo, mesmo que sejam um activo corrente.

3. Pode não ser relevante para todas as empresas, especialmente para as que têm muitas existências em carteira.

4. Pode dar uma falsa sensação de segurança se uma empresa tiver um rácio rápido elevado mas um rácio corrente baixo.

Os investidores devem sempre analisar os três rácios de liquidez (rápido, corrente e caixa) para obterem uma imagem completa da saúde financeira de uma empresa.

O que é um bom rácio rápido?

Não existe um único "bom" rácio rápido.

Os investidores devem analisar o rácio rápido em conjunto com outros rácios de liquidez, tais como o rácio corrente e o rácio de tesouraria.

Um rácio de liquidez imediata elevado pode ser um sinal de solidez financeira, mas também pode indicar que a empresa não está a utilizar os seus activos de forma eficiente.

Um rácio rápido baixo pode ser um sinal de fraqueza financeira, mas também pode indicar que uma empresa está a investir fortemente em inventário ou contas a receber.

Em última análise, cabe ao investidor decidir o que é mais importante numa determinada situação.

Porque é que se chama rácio de liquidez imediata?

O rácio de liquidez imediata é chamado de rácio de liquidez imediata porque inclui apenas os activos mais líquidos.

Estes são activos que podem ser convertidos em dinheiro rápida e facilmente.

Qual é a diferença entre o rácio de liquidez imediata e o rácio de liquidez corrente?

O rácio rápido é uma medida de liquidez mais branda do que o rácio corrente.

O rácio corrente inclui todos os activos correntes, mesmo aqueles que não são tão facilmente convertidos em dinheiro.

O rácio rápido inclui apenas dinheiro, equivalentes de dinheiro e títulos negociáveis.

Qual é a diferença entre o rácio de liquidez imediata e o rácio de liquidez?

O rácio de liquidez imediata é uma medida de liquidez mais branda do que o rácio de liquidez.

O rácio de liquidez imediata inclui todo o dinheiro e equivalentes de dinheiro, mesmo aqueles que não podem ser convertidos tão facilmente em dinheiro.

O rácio de caixa inclui apenas dinheiro real.

Qual é a diferença entre o rácio de liquidez imediata, o rácio de liquidez corrente e o rácio de liquidez?

O rácio de liquidez imediata, o rácio de liquidez corrente e o rácio de tesouraria são todos rácios de liquidez.

São utilizados para avaliar a capacidade de uma empresa para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O rácio de liquidez imediata é o mais conservador dos três, uma vez que inclui apenas os activos mais líquidos no cálculo.

O rácio corrente inclui todos os activos correntes, mesmo aqueles que não são tão facilmente convertíveis em dinheiro.

O rácio de tesouraria é o mais permissivo dos três rácios, porque inclui todo o dinheiro e equivalentes de dinheiro no cálculo, mesmo aqueles que podem não estar imediatamente disponíveis.

O que acontece se o rácio de liquidez imediata de uma empresa for muito baixo?

Se o rácio de liquidez imediata de uma empresa for muito baixo, isso pode indicar que a empresa está em dificuldades financeiras.

Um rácio de liquidez imediata baixo significa que a empresa tem mais dívidas do que activos líquidos e pode não ser capaz de cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O que acontece se o rácio de liquidez imediata de uma empresa for muito elevado?

Se o rácio de liquidez imediata de uma empresa for muito elevado, isso pode indicar que a empresa tem muito dinheiro, mas também que não está a utilizar os seus activos de forma eficiente.

Um rácio de liquidez imediata elevado significa que a empresa tem mais dinheiro do que o necessário para cobrir as suas dívidas.

O excesso de dinheiro poderia ser investido noutros activos, tais como inventário ou contas a receber, para gerar mais rendimento para a empresa.

Qual é a fórmula do rácio de liquidez imediata?

A fórmula do rácio de liquidez imediata é a seguinte:

(Activo Circulante - Inventário) / Passivo Circulante

Esta fórmula pode ser simplificada para :

(Caixa + Equivalentes de caixa + Títulos negociáveis) / Passivo corrente.

Para calcular o rácio de liquidez imediata, são necessárias as seguintes informações

  • O valor de todos os activos correntes, incluindo caixa e equivalentes de caixa, títulos negociáveis e contas a receber.
  • O valor das existências
  • O valor de todos os passivos correntes

Assim que tiver esta informação, pode inseri-la na fórmula do rácio de liquidez imediata para obter o seu rácio de liquidez imediata.

Resumo - Rácio rápido

O rácio rápido é um rácio de liquidez que mede a capacidade de uma empresa para cumprir as suas obrigações a curto prazo.

O rácio de liquidez imediata inclui apenas os activos mais líquidos no cálculo, tornando-o uma medida de liquidez mais conservadora do que o rácio corrente.

Um rácio rápido baixo pode ser um sinal de fraqueza financeira, mas também pode indicar que uma empresa está a investir fortemente em inventário ou outros activos.

Como qualquer outro indicador, o rácio de liquidez imediata não pode ser considerado isoladamente para determinar a saúde financeira de uma empresa ou se esta é um bom investimento.

Ao analisar o rácio de liquidez imediata de uma empresa, os investidores devem ter em mente que não existe um número mágico que indique se uma empresa é ou não um bom investimento.

Em vez disso, o rácio de liquidez imediata deve ser considerado juntamente com outros rácios e indicadores financeiros para obter uma imagem completa da saúde financeira da empresa.

O rácio de liquidez imediata é uma ferramenta valiosa que pode dar aos investidores uma visão da liquidez de uma empresa, mas não deve ser utilizado como a única base para as decisões de investimento.

É importante ter em conta outros factores, como a rentabilidade da empresa, o balanço global, o fluxo de caixa operacional, a análise da avaliação, entre outros, antes de tomar qualquer decisão de investimento.