Menu

Anomalias na teoria econômica clássica

Anomalias na teoria econômica clássica

As anomalias que ocorrem regularmente na teoria económica clássica têm contribuído para a formação de finanças comportamentais. Essas anomalias violam diretamente as teorias financeiras e econômicas modernas que assumem um comportamento racional e lógico. Segue-se um breve resumo de algumas das anomalias encontradas na literatura financeira.

O efeito Janeiro

O efeito de janeiro é nomeado após o fenômeno pelo qual o retorno médio mensal para as pequenas empresas é sempre maior em janeiro do que em qualquer outro mês do ano. Isto está em contradição com a hipótese de eficiência de mercado de Eugène Fama, que prevê que as ações se moverão em um mercado aleatório à medida que novas informações forem sendo disponibilizadas.

No entanto, um estudo de 1976 por Michael S. Rozeff e William R. Kinney - "Sazonalidade do Mercado de Capitais: O Caso do Retorno das Ações" - descobriram que de 1904 a 1974 os retornos médios de janeiro para pequenas empresas foram de cerca de 3,5%, enquanto os retornos dos outros meses foram próximos a 0,5%. Isto sugere que o desempenho mensal dos small caps segue um padrão relativamente constante, ao contrário do que é previsto pela teoria financeira convencional. Portanto, um fator não convencional (diferente da caminhada aleatória) deve criar este padrão regular.

Uma explicação é que o aumento nos retornos em janeiro é o resultado da venda de ações pelos investidores com prejuízo em dezembro para travar suas perdas fiscais. Uma recuperação, portanto, ocorreria em janeiro, quando os investidores estão menos inclinados a vender. Os impostos de fim de ano poderiam explicar parcialmente o efeito de Janeiro, mas não o facto de o fenómeno ainda existir em locais onde não existem impostos sobre as mais-valias. Esta anomalia mostra que as teorias convencionais não podem levar em conta tudo o que acontece no mundo real.

A maldição do vencedor

Um pressuposto é que os investidores e os traders são suficientemente racionais para estarem cientes do verdadeiro valor de um activo e para fazerem ofertas em conformidade.

No entanto, anomalias como a maldição do vencedor - uma tendência para exceder o valor intrínseco de um item comprado em leilão - sugerem que não é esse o caso.

Teorias racionais assumem que todos os participantes envolvidos em um processo de licitação têm acesso a todas as informações relevantes para chegar à mesma avaliação. Mas as diferenças nas avaliações de preço sugerem que outros fatores não diretamente relacionados ao ativo afetam o processo de licitação.

De acordo com o artigo de Richard Thaler de 1988 sobre a maldição do vencedor, há dois fatores principais que minam a racionalidade do processo de licitação: o número de participantes e a agressividade da proposta. Por exemplo, se há muitos participantes envolvidos no processo, isso significa que você deve fazer uma oferta mais agressiva para desencorajar outros de fazer ofertas mais altas. Infelizmente, aumentar sua agressividade também aumenta a probabilidade de que sua oferta vencedora exceda o valor real do ativo.

Vejamos o exemplo de potenciais compradores a licitarem uma casa. É possível que as partes envolvidas sejam racionais e conscientes do valor real da casa, estudando as recentes vendas de casas na área. No entanto, as variáveis que não têm nada a ver com o activo (propostas agressivas e número de proponentes) podem conduzir a erros nas estimativas e a um preço de venda superior ao valor real da habitação.

Prémio de risco de acções

O prêmio de risco de ações é outra anomalia estudada por acadêmicos em finanças e economia. De acordo com o modelo de precificação de ativos financeiros, os investidores com ativos financeiros de maior risco devem ser recompensados com taxas de retorno mais elevadas.

Estudos mostram que, num período de 70 anos, as acções oferecem rendimentos médios que excedem em 6 a 7% os rendimentos dos títulos de dívida pública. O retorno real das acções é de 10%, enquanto o retorno real das obrigações é de 3%. No entanto, os académicos acreditam que um prémio de risco de 6% é extremamente importante e significa que o risco das acções é consideravelmente superior ao risco das obrigações. Os modelos económicos tradicionais determinaram que este prémio deveria ser muito mais baixo. Esta falta de convergência entre modelos teóricos e resultados empíricos é uma barreira para que os acadêmicos possam explicar por que o prêmio de capital é tão alto.

A resposta das finanças comportamentais ao puzzle do prémio de risco de capital gira em torno da tendência das pessoas para terem "uma miopia de aversão às perdas", uma situação em que os investidores - demasiado preocupados com os efeitos negativos das perdas em relação a um montante equivalente de lucros - têm uma visão de curto prazo de um investimento. Como resultado, a atenção dos investidores está focada na volatilidade de sua carteira de ações de curto prazo. Não é incomum para uma ação flutuar em poucos por cento em um período de tempo muito curto, mas um investidor de visão curta (com uma visão curta) pode não reagir positivamente às mudanças descendentes. Por conseguinte, considera-se que as acções devem oferecer um prémio suficientemente elevado para compensar a considerável aversão do investidor às perdas. Assim, o prémio é visto como um incentivo para os participantes no mercado investirem em acções em vez de obrigações governamentais não garantidas.

A teoria financeira tradicional não leva em conta todas as situações que ocorrem no mundo real. Isto não significa que não seja válido, mas sim que a adição de financiamento comportamental pode clarificar o funcionamento dos mercados financeiros.

Resumo - Teoria das finanças comportamentais