Menu

Corretor de CFD

AvaTrade  Admiral Markets

XTB  IG

Pepperstone  

Rede social

ZuluTrade  darwinex

Bolsa

DEGIRO

Investir envolve risco de perdas

Criptomoedas

Binance  Coinhouse

OKX  Bitpanda

Conta financiada

FundedNext  FTMO

E8  The 5%ers

Fidelcrest  City Traders Imperium

Aversão às perdas - psicologia do investidor

Aversão às perdas

A aversão às perdas é um conceito psicológico que se refere à tendência das pessoas para preferirem fortemente evitar as perdas em vez de adquirirem ganhos.

Por outras palavras, as pessoas tendem a sentir a dor de perder algo mais forte do que o prazer de ganhar algo de igual valor.

Este fenómeno tem sido observado em muitos estudos e é considerado como um aspecto essencial da tomada de decisão humana.

Implicações da aversão às perdas

A teoria da aversão às perdas baseia-se na ideia de que as perdas são valorizadas de forma mais negativa do que os ganhos equivalentes.

Assim, por exemplo, um indivíduo pode descobrir que perder $100 é mais doloroso do que o prazer que sentiria ao ganhar $100.

Isto pode levar a uma tendência para evitar correr riscos, mesmo quando a recompensa potencial é maior do que a perda potencial, especialmente quando avaliada com base no valor esperado.

A aversão às perdas também influencia a forma como as pessoas avaliam as decisões que envolvem riscos. As pessoas tendem a ser mais avessas ao risco quando a perda potencial é maior do que o ganho potencial.

Também tendem a estar mais dispostos a assumir riscos quando o ganho potencial é maior do que a perda potencial.

Este conceito tem sido estudado em vários contextos, incluindo finanças e economia, e tem demonstrado ter um impacto significativo no comportamento de investimento.

Por exemplo, os investidores que são avessos a perdas podem estar menos dispostos a assumir certos riscos, mesmo que seja do seu melhor interesse fazê-lo.

A compreensão do conceito de aversão às perdas pode ajudar as pessoas a tomar decisões mais racionais e a gerir os seus investimentos de forma mais eficaz.

A aversão à perda é uma falácia?

A aversão às perdas é um preconceito comportamental bem documentado.

Não é uma falácia, como tem sido observado em muitas situações da vida real e tem sido validado pela investigação.

No entanto, pode levar a uma tomada de decisão sub-óptima em algumas situações, por exemplo quando uma pessoa se agarra a um investimento perdido durante demasiado tempo, ou quando não tira partido de um ganho potencial por medo de perder o que já possui.

Nestes casos, os resultados podem ser piores do que se o indivíduo tivesse agido racionalmente.

Efeito de aversão às perdas: Porque é que o ódio às perdas o faz perder ainda mais

A aversão às perdas e a teoria da perspectiva

A aversão à perda e a teoria da perspectiva são dois conceitos em economia comportamental que descrevem como as pessoas tomam decisões quando confrontadas com incerteza ou risco.

A aversão às perdas refere-se à tendência das pessoas para preferirem fortemente evitar as perdas em vez de adquirirem ganhos.

A teoria da prospecção, proposta por Kahneman e Tversky em 1979, descreve como as pessoas avaliam os potenciais resultados num cenário de tomada de decisão.

Sugere que as pessoas são mais propensas a concentrarem-se nos ganhos potenciais de algo do que nas perdas potenciais.

Por exemplo, a teoria das perspectivas pode explicar porque é que alguns comerciantes assumem muitos riscos nos mercados. Fazem-no por interesse nos ganhos potenciais que possam estar disponíveis.

A aversão às perdas e a teoria da perspectiva têm sido utilizadas para explicar uma vasta gama de fenómenos de tomada de decisão, incluindo o comportamento nos mercados bolsistas e financeiros, as escolhas dos consumidores e as decisões políticas.

Aversão às perdas e o efeito de dotação

O efeito de dotação é um fenómeno em economia comportamental em que as pessoas atribuem um valor mais elevado a itens que possuem ou com os quais estão familiarizadas, em comparação com itens semelhantes que não possuem ou com os quais não estão familiarizadas.

Este efeito é muitas vezes utilizado para explicar a relutância das pessoas em vender ou trocar artigos que possuem, mesmo que não tenham uma ligação particularmente forte com eles.

A aversão às perdas, como mencionado anteriormente, é a tendência das pessoas a preferirem fortemente evitar perdas em vez de adquirir ganhos, e está intimamente relacionada com o efeito de dotação.

O efeito de dotação pode ser visto como uma extensão da aversão à perda, pois sugere que as pessoas têm uma forte sensação da perda associada à desistência de um activo que possuem, e por isso estão mais relutantes em fazê-lo.

Por exemplo, isto poderia reflectir-se numa tendência para manter a carteira tal como está, mesmo quando as circunstâncias mudam. Ou herdar acções e querer mantê-las, mesmo que não se enquadrem nos objectivos financeiros globais de cada um.

Uma das principais diferenças entre a aversão à perda e o efeito de dotação é que a aversão à perda centra-se no custo psicológico da perda de um bem, enquanto que o efeito de dotação é mais sobre o benefício psicológico de possuir um bem.

A aversão à perda é mais geral e pode ser observada em diferentes contextos, enquanto o efeito de dotação é mais específico e aplica-se a situações em que a propriedade está envolvida.

Conclusão

A aversão às perdas refere-se à tendência dos indivíduos para preferirem fortemente evitar perdas em vez de adquirirem ganhos.

Este conceito tem sido observado numa vasta gama de contextos de tomada de decisão, incluindo os mercados financeiros.

Nos mercados financeiros, a aversão às perdas pode levar a que os investidores não assumam riscos suficientes.

A aversão às perdas também pode levar os investidores a tomar decisões irracionais quando confrontados com a possibilidade de uma perda.

Por exemplo, um investidor avesso às perdas pode ter mais probabilidades de vender uma acção que tenha aumentado de valor para reter os seus ganhos, mesmo que a acção ainda tenha o potencial de aumentar de valor (a isto chama-se o efeito de disposição).

Além disso, existem preconceitos semelhantes à aversão à perda, tais como a teoria da perspectiva.

A teoria da perspectiva traduz-se na tendência dos investidores para perseguir rendimentos, ou investir em activos de alto risco e alto rendimento, a fim de lucrar com o lado positivo sem se preocupar demasiado com o lado negativo potencial.

Globalmente, a aversão às perdas é um conceito importante a compreender no contexto dos mercados financeiros, uma vez que pode levar a uma série de decisões irracionais que podem, em última análise, resultar em perdas financeiras.

É importante que os investidores estejam conscientes das suas próprias tendências de aversão às perdas e tomem decisões de investimento baseadas numa análise sólida e objectiva, em vez de serem prejudicados por preconceitos emocionais.

Trading numa conta de demonstração gratuita

MT4     MT5   cTrader

O trading de CFD baseia-se na especulação e envolve um risco significativo de perda, pelo que não é adequado para todos os investidores (74-89% das contas de investidores privados perdem dinheiro).

Resumo - Teoria das finanças comportamentais