Menu

Confirmação e enviesamento retrospectivo - finanças comportamentais

Confirmação e enviesamento retrospectivo

Diz-se muitas vezes que "ver é acreditar". Embora isso seja muitas vezes o caso, em algumas situações, o que você percebe não é necessariamente uma representação precisa da realidade. Isso não significa que haja um problema com seus sentidos, mas sim que nossas mentes tendem a introduzir viés no processamento de certos tipos de informações e eventos.

Nesta seção, veremos como a confirmação e a retrospecção afetam nossas percepções e decisões subsequentes.

Viés de confirmação

Pode ser difícil descobrir algo ou conhecer alguém sem ter uma opinião preconcebida. Esta primeira impressão pode ser difícil de evitar, já que as pessoas também tendem a filtrar seletivamente e prestar mais atenção às informações que sustentam suas opiniões, ignorando ou racionalizando o resto. Este tipo de reflexão seletiva é muitas vezes referido como confirmação.

No investimento, o viés de confirmação indica que é mais provável que os investidores procurem informações que sustentem a sua ideia original do que procurar informações que a contradigam. Em consequência, este enviesamento pode frequentemente conduzir a decisões erradas, uma vez que a informação unilateral tende a distorcer o quadro de referência dos investidores, deixando-os com uma imagem incompleta da situação.

Por exemplo, se um investidor ouve falar de informações de uma fonte não auditada, fica intrigado com o retorno potencial. O investidor pode optar por pesquisar as acções para ver se o seu potencial é real.

O que acontece frequentemente é que o investidor encontra todos os tipos de bandeiras verdes neste investimento (tais como fluxo de caixa ou um baixo rácio dívida/capital próprio), enquanto ignora as bandeiras vermelhas financeiramente desastrosas, tais como a perda de clientes importantes ou mercados em declínio.

Viés retrospectivo

Outro viés de percepção é o viés retrospectivo, que muitas vezes ocorre em situações em que uma pessoa acredita (após o facto) que a ocorrência de um acontecimento passado era previsível e bastante óbvia, quando de facto o acontecimento não poderia ter sido razoavelmente previsto.

Muitos eventos parecem óbvios em retrospectiva. Os psicólogos atribuem o viés retrospectivo à nossa necessidade inata de encontrar ordem no mundo, criando explicações que nos permitam acreditar que os eventos são previsíveis. Este sentido de curiosidade é útil em muitos casos, mas encontrar ligações incorrectas entre a causa e o efeito de um evento pode levar a simplificações incorrectas.

Por exemplo, muitas pessoas afirmam que os sinais da bolha tecnológica da década de 1990 e início dos anos 2000 eram muito óbvios. Este é um exemplo claro de viés retrospectivo: se a formação de uma bolha tivesse sido óbvia, provavelmente não teria aumentado e eventualmente rebentado.

Para os comerciantes e outros participantes do mundo financeiro, o viés retrospectivo é uma das causas de uma mentalidade potencialmente perigosa: o excesso de confiança. Neste caso, o excesso de confiança refere-se à crença infundada de investidores ou traders que acreditam ter habilidades de negociação superiores.

Evitar viés de confirmação

O viés de confirmação representa uma tendência a se concentrar em informações que confirmam o pensamento pré-existente. O perigo do viés de confirmação é que estar ciente do problema não é suficiente para impedir que você o faça. Uma maneira de superar esse viés seria encontrar alguém para agir como uma "voz dissidente da razão". Desta forma, serão confrontados com um ponto de vista contrário que deve ser examinado e tido em conta.

Resumo - Teoria das finanças comportamentais