Menu

Corretor de CFD

AvaTrade  Admirals

XTB  IG

Pepperstone  

Rede social

ZuluTrade  darwinex

Criptomoedas

Binance  Coinhouse

Bitpanda

Conta financiada

FundedNext  FTMO

E8  The 5%ers

Fidelcrest  City Traders Imperium

115+ estratégias de trading sistemáticas e discricionárias

estratégias de trading sistemáticas e discricionárias

Neste artigo, discutimos várias estratégias sistemáticas e discricionárias de trading e investimento, cobrindo uma vasta gama de abordagens, classes de activos e horizontes temporais, bem como breves descrições de cada uma delas.

Note-se que muitas estratégias são na realidade uma mistura de ambas no mundo real.

No entanto, podem tender a ser mais frequentemente utilizadas de uma forma ou de outra.

Estratégias de investimento discricionárias e sistemáticas são duas abordagens distintas à gestão de investimentos.

Cada uma tem as suas próprias características e as diferenças entre as duas podem ter um impacto no desempenho global e no perfil de risco de uma carteira de investimentos.

Segue-se uma síntese das principais características e diferenças entre estas duas estratégias:

Estratégias de investimento discrepantes

  • Tomada de decisões humanas: As estratégias de investimento discricionárias dependem do julgamento e da experiência do gestor ou investidor da carteira para tomar decisões de investimento. Isto pode envolver a análise de acções individuais, factores económicos ou tendências de mercado.
  • Análise subjectiva: Os investidores que utilizam uma abordagem discricionária baseiam frequentemente as suas decisões na experiência pessoal, intuição ou avaliações subjectivas da oportunidade de investimento.
  • Menos consistência: Devido ao elemento humano, as estratégias de investimento discricionárias podem ser menos consistentes do que as estratégias sistemáticas, uma vez que são influenciadas pelas emoções e preconceitos do decisor.
  • Flexibilidade: O investimento discricionário oferece maior flexibilidade, uma vez que os investidores podem adaptar-se às condições de mercado em mudança e incorporar novas informações no seu processo de tomada de decisão.
  • Abordagem à medida: As estratégias discricionárias podem ser adaptadas aos objectivos específicos, tolerância ao risco e preferências de cada investidor.

Estratégias de investimento sistemáticas

  • Abordagem baseada em regras: estratégias de investimento sistemáticas envolvem a utilização de regras ou algoritmos pré-definidos para tomar decisões de investimento. Estas regras podem basear-se em factores tais como dados históricos, análises quantitativas ou indicadores técnicos.
  • Análise objectiva: As decisões tomadas numa estratégia sistemática baseiam-se em critérios objectivos, o que reduz a influência potencial das emoções humanas e os preconceitos.
  • Consistência: As estratégias sistemáticas seguem um conjunto consistente de regras, que podem conduzir a resultados mais previsíveis e reduzir a probabilidade de decisões de investimento impulsivas ou inadequadas.
  • Flexibilidade limitada: O investimento sistemático pode ser menos flexível do que as estratégias discricionárias, uma vez que pode ser mais difícil adaptar-se rapidamente a condições de mercado em mudança ou a novas informações.
  • Replicabilidade: As estratégias sistemáticas são geralmente mais fáceis de replicar e adaptar, uma vez que o processo de investimento é baseado em regras e pode ser automatizado utilizando software ou algoritmos informáticos.

Estratégias de investimento discricionário

Seguem-se estratégias de trading e investimento que se enquadram mais na categoria "discricionária":

Investimento de valor

Pesquisa de acções subvalorizadas com base numa análise fundamental, utilizando frequentemente rácios financeiros para identificar empresas que negoceiam abaixo do seu valor intrínseco.

Investimento de crescimento

Foco em empresas com elevado potencial de crescimento, caracterizadas por rápidos aumentos de receitas, ganhos e quota de mercado, muitas vezes à custa da rentabilidade actual.

Investimento de dividendos

Investir em empresas que pagam dividendos regularmente, oferecendo assim um fluxo constante de rendimentos e o potencial de valorização do capital.

Índice de investimento

Uma estratégia de investimento passivo que visa replicar o desempenho de um índice de mercado, muitas vezes através de fundos de índice ou fundos negociados em bolsa (ETFs).

Investimento passivo

Uma abordagem buy-and-hold, centrada na minimização de taxas e impostos, muitas vezes através de fundos de índice, ETFs ou outros veículos de investimento de baixo custo.

Investimento activo

Os gestores de carteiras seleccionam activamente os títulos, com o objectivo de superar as referências de desempenho, com base em análises fundamentais ou técnicas.

Swing trading

Tentativa de fazer ganhos a curto ou médio prazo numa acção ou mercado, geralmente mantendo posições durante dias ou semanas.

Day trading

Compra e venda de títulos no mesmo dia de negociação, com o objectivo de lucrar com pequenas alterações de preços.

Scalping

Fazendo numerosas transacções rápidas para lucrar com pequenas alterações de preços, geralmente fechando posições em minutos.

Trading de posições

Detenção de uma segurança por um período prolongado, geralmente semanas ou meses, com base em tendências e movimentos de preços a longo prazo.

Rotação sectorial

Deslocar investimentos de um sector para outro para tirar partido dos ciclos económicos e das mudanças previstas no desempenho do mercado.

Por exemplo, isto pode envolver a transferência de investimentos de produtos de base discricionários para produtos de base de consumo quando o comerciante/investidor espera que a economia enfraqueça.

Compreender a Rotação e Análise Sectorial

Estratégias macro globais

Investimento baseado em factores macroeconómicos, geopolíticos e outros factores sistémicos que têm impacto nas classes de activos, regiões ou países.

Investimento orientado para o evento

Exploração de oportunidades criadas por eventos corporativos, tais como fusões, aquisições, anúncios de lucros ou alterações regulamentares.

Investimento contrário

Ir contra as tendências predominantes do mercado, comprar activos subvalorizados quando outros estão a vender, e vender activos sobrevalorizados quando outros estão a comprar.

Investimento de rendimento

Concentrando-se em títulos que geram um fluxo constante de rendimentos, tais como acções, obrigações ou fundos de investimento imobiliário que pagam dividendos.

Análise técnica

A análise de dados de mercado passados, tais como preços e volumes, para identificar padrões e prever movimentos de preços futuros.

Análise fundamental

Uma avaliação do valor intrínseco de uma acção com base em factores financeiros e económicos, incluindo receitas, ganhos, tendências da indústria e indicadores macroeconómicos.

Negociação de opções

A compra e venda de contratos de opção, que dão ao comprador o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um activo subjacente a um preço pré-determinado até uma determinada data.

Negociação de futuros

A compra e venda de contratos de futuros, que são acordos de compra ou venda de um activo a um preço pré-determinado a uma data futura especificada.

Negociação de divisas (Forex)

Negociação de moedas no mercado cambial, tentando lucrar com as flutuações das taxas de câmbio.

Negociação de mercadorias

Comércio de mercadorias físicas, tais como petróleo, ouro ou produtos agrícolas, ou os seus derivados financeiros.

Investir em ETFs

Investir em fundos negociados em bolsa, que são cestos de títulos que negociam como acções individuais e seguem um índice ou investimento subjacente.

Investimentos imobiliários

A compra, gestão e venda de bens imóveis para gerar rendimentos ou valorização do capital, incluindo propriedade residencial, comercial ou industrial.

O timing do mercado

Tentar prever os movimentos do mercado e tomar decisões de investimento com base nestas previsões, muitas vezes utilizando indicadores técnicos ou económicos.

Negociação de pares

Comprar uma posição longa num título e vender a curto prazo um título relacionado, com o objectivo de tirar partido dos movimentos relativos de preços.

Arbitragem de risco

Tirar partido das diferenças de preço dos títulos envolvidos em eventos corporativos, tais como fusões, aquisições ou cisões, tomando uma posição nas empresas envolvidas.

Arbitragem em caso de fusão

Tirar partido das diferenças de preço entre a empresa alvo e as empresas adquirentes numa fusão ou aquisição, geralmente comprando as acções da empresa alvo e vendendo a descoberto as acções da empresa adquirente.

Arbitragem convertível

Explorando as ineficiências de preço entre os títulos convertíveis e as suas acções subjacentes, tipicamente comprando a obrigação convertível e vendendo as acções a descoberto.

Estratégias de valor relativo

Identificação e aproveitamento dos diferenciais de preços entre títulos relacionados, geralmente através de posições longas e curtas.

Investimentos de cobrança duvidosa

Investir em títulos de dívida de empresas em dificuldades financeiras, muitas vezes com um profundo desconto, com potencial para rendimentos elevados se a empresa recuperar.

Acções longas/curtas

Tomar posições longas em acções subvalorizadas e posições curtas em acções sobrevalorizadas, com o objectivo de lucrar com movimentos de preços ascendentes e descendentes.

Negociação de volatilidade

Estratégias de negociação baseadas na volatilidade esperada de um activo ou mercado, utilizando frequentemente opções, futuros ou outros derivados.

Negociação de crédito

Negociação em títulos de rendimento fixo ou seus derivados, com base na solvabilidade do emitente e nos movimentos das taxas de juro.

Negociação de taxas de juro

Negociação de títulos ou derivados sensíveis a juros para lucrar com as alterações das taxas de juro.

Investir em mercados emergentes

Investir em países com economias em desenvolvimento que se caracterizam frequentemente por um crescimento rápido, aumento do investimento estrangeiro e expansão dos mercados de consumo.

Investir em mercados fronteiriços

Investir em países com economias e mercados de capitais menos desenvolvidos, frequentemente caracterizados por maior risco e maior potencial de retorno.

Investir em pequenas limitações

Foco em empresas com capitalizações de mercado relativamente pequenas, que podem oferecer maior potencial de crescimento e maior risco do que as empresas maiores.

Investimento de média capitalização

Investir em empresas de média capitalização, muitas vezes visto como um equilíbrio entre o potencial de crescimento das acções de pequena capitalização e a estabilidade das acções de grande capitalização.

Investimento em empresas de grande capitalização

Investir em empresas de grande porte, frequentemente caracterizadas por retornos mais estáveis, menor risco e crescimento mais lento do que as empresas mais pequenas.

Investimento em micro-cap

Concentra-se em empresas com capitalizações de mercado muito pequenas, frequentemente caracterizadas por um elevado potencial de crescimento, maior risco e liquidez reduzida.

Investimento socialmente responsável (SRI)

Selecção de investimentos com base em critérios éticos, sociais ou ambientais, evitando frequentemente empresas envolvidas em sectores controversos.

Investimento ambiental, social e de governação (ESG)

A integração de factores ambientais, sociais e de governação empresarial nas decisões de investimento, com o objectivo de gerar retornos sustentáveis a longo prazo.

O investimento de impacto

Investir em empresas, organizações ou fundos com a intenção de gerar um impacto social ou ambiental mensurável, para além dos retornos financeiros.

Investimento temático

Concentrando-se em temas ou tendências específicas, tais como energia limpa, envelhecimento da população ou inovação tecnológica, para identificar investimentos.

Alocação táctica de activos

Ajuste da alocação de activos de uma carteira em resposta a condições de mercado ou indicadores económicos de curto prazo, com o objectivo de aproveitar oportunidades ou reduzir riscos.

Afectação estratégica de activos

O estabelecimento de metas de alocação de activos a longo prazo de acordo com a tolerância ao risco do investidor, objectivos de investimento e horizonte temporal, mantendo geralmente uma alocação consistente.

Negociação com informação privilegiada

Negociação de títulos com base em informações materiais não públicas, o que é ilegal e punível por lei.

Venda a descoberto

Contrair e vender uma acção na esperança de que o seu preço caia, permitindo ao investidor comprá-la de volta a um preço mais baixo e lucrar com a diferença.

Estratégias neutras de mercado

Utilização de posições longas e curtas para alcançar uma exposição líquida zero, com o objectivo de lucrar com o desempenho de um stock individual e não com as tendências mais vastas do mercado.

Redacção de chamadas cobertas

Escrever opções de compra sobre um título detido pelo investidor, gerando rendimentos a partir de prémios de opções e limitando potenciais ganhos ascendentes.

Compra de put de protecção

A compra de opções de venda sobre um título detido pelo investidor, proporcionando uma protecção contra a queda no caso de uma queda no preço do título.

Iron condor

Uma estratégia de opção envolvendo a venda simultânea de uma call e de uma out-of-the-money put, e a compra de outra call e de outra out-of-the-money put, uma estrutura comercial que beneficia de baixa volatilidade.

Straddle

A compra de uma chamada e uma colocação no mesmo stock, com o mesmo preço de greve e data de expiração, a fim de lucrar com grandes movimentos de preços em qualquer direcção.

Strangle

A compra de uma opção de compra e de uma opção de venda fora do dinheiro no mesmo título com a mesma data de vencimento, a fim de lucrar com grandes movimentos de preços em qualquer direcção.

Butterfly spread

Uma estratégia de opção envolvendo a compra e venda simultânea de contratos de opção com preços de greve diferentes mas com a mesma data de vencimento, que funciona melhor em baixa volatilidade.

Spread do calendário

Contratos de compra e venda de opções sobre o mesmo título com o mesmo preço de exercício mas com datas de vencimento diferentes, tirando partido da decadência do tempo e das alterações na volatilidade implícita.

Spread diagonal

A compra e venda de contratos de opções sobre o mesmo título com diferentes preços de greve e datas de vencimento, procurando tirar partido das alterações na volatilidade implícita e decadência temporal.

Spread vertical

A compra e venda de contratos de opções sobre o mesmo título com a mesma data de vencimento mas preços de exercício diferentes, com o objectivo de lucrar com as alterações no preço do título subjacente.

Collar

Uma combinação de uma opção de venda protegida e uma opção de compra coberta sobre a mesma segurança, limitando tanto os ganhos como as perdas potenciais ao mesmo tempo que gera rendimentos dos prémios das opções.

Spread de rácios

A compra e venda de contratos de opções múltiplas sobre o mesmo título a preços de greve diferentes, com o objectivo de lucrar com as alterações no preço do título subjacente enquanto se gere o risco.

Por exemplo, um trader pode pagar um prémio de $3 por um lucro líquido de $7.

Vender cash-backed puts.

Vender opções de venda sobre um título enquanto retém dinheiro suficiente para cobrir a potencial compra do título se cedido, gerando assim rendimentos dos prémios das opções.

Vender chamadas ou put nus

A venda de opções de compra ou de venda sem possuir o título subjacente ou ter o dinheiro para cobrir potenciais obrigações, o que aumenta os ganhos potenciais mas também comporta um risco significativo.

Investimento em valores mobiliários garantidos por activos

A compra de títulos garantidos por um conjunto de activos subjacentes, tais como hipotecas, empréstimos de automóveis ou créditos de cartões de crédito, com vista à realização dos fluxos de caixa gerados por estes activos.

O investimento em títulos garantidos por hipoteca

A compra de títulos garantidos por um pool de hipotecas residenciais ou comerciais, com o objectivo de beneficiar dos fluxos de caixa gerados pelos pagamentos hipotecários.

O investimento em penhoras fiscais

A aquisição de penhoras fiscais sobre imóveis com impostos não pagos, o que permite a cobrança de juros sobre a penhora ou a aquisição do imóvel se o proprietário não pagar os impostos.

O investimento em participações privadas

Investir em empresas privadas através de investimentos directos, buy-outs ou outras transacções.

Investimento de capital de risco

Fornecer financiamento a empresas em fase inicial, de elevado potencial, em troca de capital próprio, com o objectivo de obter rendimentos significativos se a empresa for bem sucedida.

Investimento anjos

Investidores individuais que fornecem capital a empresas em fase de arranque ou empresas em fase inicial em troca de capital ou dívida, com o objectivo de lucrar com o crescimento da empresa e a sua eventual saída.

Investimento em divisas criptográficas

Comprar e deter moedas digitais, tais como bitcoin, ethereum ou outras altcoins, a fim de lucrar com a valorização do preço ou utilização em transacções.

Ofertas iniciais de moedas (ICOs)

Investir em novos projectos de moedas criptográficas através da compra de fichas na fase inicial de angariação de fundos, na esperança de que as fichas aumentem de valor.

Ofertas de Fichas de Segurança (OST)

Investir em fichas que representam a propriedade de activos subjacentes, tais como bens imóveis ou acções de uma empresa, com o objectivo de lucrar com a valorização de activos ou geração de rendimentos.

Investir em fichas de utilidade

A compra de fichas dando acesso a uma plataforma, produto ou serviço específico, com o objectivo de lucrar com o aumento da procura e apreciação das fichas.

O investimento de financiamento de multidões

Fornecimento de capital a start-ups ou projectos através de plataformas em linha, potencialmente recebendo acções, dívidas ou outras recompensas em troca do investimento.

Empréstimo entre pares

Emprestar dinheiro directamente a indivíduos ou empresas através de plataformas online, ganhando juros sobre os empréstimos e diversificando os riscos entre vários mutuários.

Planos de compra directa de acções (DSPP)

A compra de acções de uma empresa directamente à empresa, muitas vezes sem passar por um corretor e com taxas mais baixas, permitindo em alguns casos a compra de acções fracionárias.

Planos de reinvestimento de dividendos (DRIPs)

O reinvestimento automático dos dividendos recebidos de uma acção em acções adicionais da mesma acção, permitindo retornos compostos ao longo do tempo.

Investimento alavancado

A utilização de fundos ou instrumentos financeiros emprestados, tais como spreads ou opções, para aumentar a exposição ao investimento e os potenciais retornos, ao mesmo tempo que aumenta o risco.

O investimento em ETFs inversos

Investir em fundos negociados em bolsa concebidos para se moverem na direcção oposta à do seu índice subjacente, com o objectivo de lucrar com as quedas do mercado.

Colheita de prejuízos fiscais

Vender investimentos perdidos para compensar o imposto sobre as mais-valias, o que pode melhorar o retorno das carteiras, mantendo ao mesmo tempo uma estratégia de investimento consistente.

Negociação táctica

O ajustamento activo das posições de carteira em resposta a tendências, indicadores ou acontecimentos do mercado a curto prazo, com o objectivo de aproveitar oportunidades ou reduzir o risco.

Financiamento Mezzanine

Proporcionar dívida subordinada ou acções preferenciais a empresas, muitas vezes com taxas de juro mais elevadas ou conversão potencial em acções, em troca de rendimentos e riscos mais elevados.

Fundos de afectação de activos

Investir numa mistura diversificada de classes de activos, tais como acções, obrigações e numerário, muitas vezes concebida para satisfazer perfis de risco específicos ou objectivos de investimento.

Fundos com prazos previstos

Fundos mútuos que ajustam automaticamente a sua alocação de activos ao longo do tempo, tornando-se mais conservadores à medida que a data da reforma se aproxima.

Fundos do ciclo de vida

Fundos mútuos que visam fornecer uma estratégia de investimento diversificada e adequada à idade, ajustando automaticamente a alocação de activos de acordo com a idade ou tolerância ao risco do investidor.

Investimento em infra-estruturas

Investir em activos físicos que forneçam serviços essenciais, tais como transporte, energia ou serviços públicos, com o objectivo de gerar rendimento e valorização do capital a longo prazo.

Investimento num fundo de royalties

Comprar acções de um trust que detém e gere direitos de royalties sobre recursos naturais, tais como petróleo, gás ou minerais, com o objectivo de beneficiar dos rendimentos gerados por estes recursos.

Master Limited Partnerships (MLPs)

Investir em parcerias negociadas publicamente que operam principalmente no sector da energia, oferecendo o potencial para benefícios fiscais, rendimento e valorização do capital.

Títulos de Antecipação de Acções a Longo Prazo (LEAPS)

Compra de contratos de opção a longo prazo, frequentemente com uma data de expiração de um a três anos, com o objectivo de lucrar com movimentos de preços a longo prazo com uma menor decadência temporal.

Investimento em títulos protegidos contra a inflação

Compra de obrigações emitidas pelo governo, tais como os Títulos Públicos Protegidos contra a Inflação (TIPS), que ajustam os seus pagamentos de capital e juros de acordo com a inflação, a fim de preservar o poder de compra.

Investir em situações especiais

Concentrando-se nas oportunidades únicas criadas por eventos ou situações empresariais, tais como cisões, reestruturações ou mudanças de gestão, com o objectivo de tirar partido de títulos mal cotados.

Fundos de investimento ligados a unidades de participação (UIT)

Investir numa carteira fixa de títulos detidos durante um período de tempo pré-determinado, com o objectivo de gerar rendimento, valorização do capital, ou ambos.

Investimento num fundo fechado

A compra de acções de um fundo de investimento fechado, negociado em bolsa e com um número fixo de acções, com o objectivo de tirar partido dos investimentos subjacentes do fundo e dos potenciais descontos para o valor patrimonial líquido.

Investir num fundo de investimento aberto

Investir em fundos mútuos que emitem e resgatam acções a pedido, com o valor patrimonial líquido do fundo calculado diariamente, para beneficiar de uma gestão e diversificação profissional.

Investimento em activos reais

Afectação de capital a activos corpóreos, tais como bens imóveis, mercadorias, infra-estruturas ou recursos naturais, com o objectivo de preservar o capital, gerar rendimentos ou cobertura contra a inflação.

Investimento em obrigações de curto prazo

Concentrando-se em obrigações com prazos de vencimento mais curtos, geralmente inferiores a cinco anos, com o objectivo de proporcionar rendimentos e reduzir o risco de taxa de juro em comparação com as obrigações de longo prazo.

Investimento em obrigações a longo prazo

Investir em obrigações com prazos de vencimento mais longos, muitas vezes superiores a dez anos, para gerar maiores rendimentos e uma potencial maior valorização do capital, mas com maior risco de taxa de juro.

Investir em obrigações de grau de investimento

A compra de obrigações emitidas por empresas ou governos com elevada notação de crédito, com o objectivo de gerar rendimentos com risco de crédito relativamente baixo.

O investimento em obrigações de alto rendimento

A compra de obrigações emitidas por empresas com notações de crédito mais baixas, muitas vezes denominadas junk bonds, com o objectivo de gerar maiores rendimentos mas com maior risco de crédito.

O investimento em obrigações municipais

Investir em títulos de dívida emitidos por governos estaduais ou locais, muitas vezes oferecendo rendimentos de juros isentos de impostos e risco de crédito relativamente baixo.

Investir em obrigações de cupão zero

A compra de obrigações que não pagam juros periódicos mas são vendidas com um profundo desconto no seu valor facial, com o objectivo de lucrar com a diferença entre o preço de compra e o valor facial no vencimento.

Investimento em títulos em escada

Uma carteira de obrigações com prazos de vencimento escalonados, com o objectivo de reduzir o risco de taxa de juro e proporcionar um fluxo regular de rendimentos.

Investimento em anuidades

A compra de um produto de seguro que proporcione um fluxo garantido de rendimentos durante a reforma, imediatamente ou numa data posterior, em troca de um prémio inicial ou de uma série de prémios.

Investimento beta inteligente

A utilização de uma abordagem baseada em regras para construir uma carteira que combina elementos de investimento activos e passivos, com o objectivo de superar os índices tradicionais ponderados pela capitalização do mercado enquanto se gere o risco.

Brokers para trading no mercado financeiro

CFD Brokers Plataformas Regulamentado pela Abrir uma conta de demonstração
MetaTrader 4 e 5
AvaOptions
ASIC, CBFSAI, FRSA, BVI FSC, FSCA, JFSA, OCRCVM AvaTrade
xStation 5 FCA, KNF, CySEC, BIFSC, CNMV, DFSAXTB
MetaTrader 4 y 5
cTrader
TradingView
FCA, ASIC, CySEC, BaFin, DFSA, SCB, CMAPepperstone
MetaTrader 4 et 5
Markets Webtrader
FCA, BaFin, ASIC, FINMA, FSCA, MAS, FMA, DFSA, JFSA, CFTCIG
MetaTrader 4 e 5 FCA, ASIC, CySEC, JSC, OCRCVM, FSCAAdmirals
ASIC: Austrália, BaFin: Alemanha, BIFSC: Belize, BVI FSC: Ilhas Virgens Britânicas, BACEN e CVM: Brasil, CySEC: Chipre, CNMV: Espanha, CMVM: Portugal, CSSF: Luxemburgo, CFTC: EUA, CBFSAI: Irlanda, CMA : Omã, DFSA: Dubai, FCA: Reino Unido, FINMA: Suíça, FSPR - FMA: Nova Zelândia, FRSA: Abu Dhabi, FSA: Seychelles, FSCA: África do Sul, JFSA: Japão, JSC: Jordânia, KNF: Polônia, MAS: Singapura, IIROC: Canadá, SCB: Bahamas, VFSC: Vanuatu
A negociação de CFD envolve um risco significativo de perda, pelo que não é adequado para todos os investidores. 74-89% das contas de pequenos investidores perdem dinheiro a negociar CFDs.

Estratégias de investimento sistemáticas

Abaixo encontram-se estratégias de investimento que tendem a ser de natureza mais "sistemática":

Factor de investimento

Centrando-se em factores específicos, tais como valor, crescimento, dinâmica ou qualidade, que historicamente demonstraram a sua capacidade de gerar retornos em excesso.

Trading de momento

Comprar acções com forte dinâmica de preços ou ganhos, esperando que a tendência se mantenha.

Média dos custos em dólares

Investir um montante fixo a intervalos regulares, independentemente das condições de mercado, para reduzir o impacto da volatilidade do mercado.

Análise quantitativa

Utilização de modelos matemáticos e estatísticos para analisar dados financeiros e identificar oportunidades de investimento.

Trading de alta frequência

O trading baseado em algoritmos explora diferenças mínimas de preços ou ineficiências de mercado, muitas vezes utilizando ligações de latência muito baixa e mantendo posições durante milissegundos.

Trading algorítmica

Automatização do processo de trading utilizando regras e algoritmos pré-definidos para executar transacções, muitas vezes baseados em análises técnicas ou modelos quantitativos.

Arbitragem

Explorando as diferenças de preços entre activos ou mercados relacionados, comprando num mercado e vendendo simultaneamente noutro, com um risco mínimo.

Arbitragem estatística

A utilização de modelos quantitativos e de dados históricos de preços para identificar e explorar ineficiências de preços a curto prazo no mercado.

Alocação dinâmica de activos

Ajuste contínuo da alocação de activos em resposta às condições de mercado, indicadores económicos ou alterações na situação financeira do investidor.

Criação de mercado

O fornecimento de liquidez aos mercados financeiros através da cotação simultânea dos preços de compra e venda de títulos, tirando partido do diferencial entre os preços de compra e venda.

Consultores de Negociação de Mercadorias (CTAs)

Investir em contratos de futuros sobre diferentes classes de activos, muitas vezes utilizando estratégias de trading sistemáticas para capitalizar as tendências ou ineficiências do mercado.

Conclusão

As estratégias de investimento discricionário baseiam-se no julgamento humano e na análise subjectiva, oferecendo maior flexibilidade mas potencialmente menos consistência.

Em contraste, as estratégias sistemáticas de investimento seguem uma abordagem baseada em regras que é mais objectiva, consistente e replicável, mas que pode ser menos adaptável às condições de mercado em mudança.

A escolha entre estas estratégias depende dos objectivos do investidor, da tolerância ao risco e da filosofia de investimento.