Menu

Corretor de CFD

AvaTrade  Admirals

XTB  IG

Pepperstone  

Rede social

ZuluTrade  darwinex

Criptomoedas

Binance  Coinhouse

OKX  Bitpanda

Conta financiada

FundedNext  FTMO

E8  The 5%ers

Fidelcrest  City Traders Imperium

Relação entre moedas à vista e a prazo

moedas à vista e a prazo

Os mercados financeiros estão ligados por uma vasta rede de moedas, cada uma com o seu próprio valor em relação às outras.

Estes valores não são estáticos e flutuam de acordo com vários factores, incluindo o desempenho económico, os acontecimentos geopolíticos e as decisões políticas.

Um dos principais mecanismos através dos quais estes valores monetários são determinados é a relação entre os preços à vista e a prazo das moedas.

Esta dinâmica influencia não só as avaliações das moedas, mas também o comércio internacional, as decisões de investimento e as políticas económicas.

A seguir, analisamos a relação entre os preços à vista e a prazo da moeda e o impacto dos diferenciais de taxa de juro nesta relação.

Além disso, analisamos as consequências de uma depreciação controlada da moeda, o papel dos controlos de capitais e a duração típica da fase de defesa monetária.

Principais lições - Relação entre moedas à vista e a prazo

  • Compreender a relação entre os preços das moedas à vista e a prazo é essencial para compreender o seu impacto no comércio internacional, nas decisões de investimento e nas políticas económicas.
  • O diferencial de taxas de juro desempenha um papel fundamental na relação entre as moedas à vista e a prazo.
  • A antecipação de uma futura desvalorização da moeda pode conduzir a taxas de juro internas mais elevadas, a levantamentos de capitais e a especulações sobre a desvalorização, o que pode agravar ainda mais a situação económica.
  • Os controlos de capitais são muitas vezes ineficazes na prevenção das saídas de capitais e podem criar pânico (fuga de capitais por parte daqueles que não querem ficar presos).
  • Durante a fase de defesa monetária, os bancos centrais queimam as suas reservas para estabilizar a moeda, mas esta fase é geralmente de curta duração e pode ter consequências importantes se estas poupanças forem utilizadas.

O diferencial de taxas de juro e a relação entre as moedas à vista e a prazo

A relação entre a) o diferencial de taxas de juro e b) a relação entre o preço à vista e o preço a prazo é importante.

O montante pelo qual se espera que uma moeda caia é incorporado no nível pelo qual o preço a prazo cai em relação ao preço à vista.

Por exemplo, se o mercado espera que uma moeda caia 5% num ano, exigirá um rendimento 5% mais elevado para essa moeda.

Os decisores políticos que têm de lidar com a inflação ligada à moeda (ou seja, a desvalorização da moeda que leva a importações mais caras) têm de prestar muita atenção a este fator, uma vez que representa a escala do aumento da taxa de juro necessária para criar um mercado bidirecional para a moeda e pôr fim à pressão inflacionista.

Este fator torna-se ainda mais importante quando a desvalorização esperada é mais curta.

Se se prevê uma desvalorização de 5% num mês, a moeda terá de produzir uma taxa de juro 5% mais elevada durante esse mês - e 5% de juros mensais equivalem a uma taxa de juro anual de cerca de 80% (e não 60%, uma vez que se trata de uma taxa composta - [(1+0,05)^12 - 1]) - uma taxa que é suscetível de produzir uma grave contração económica numa economia já de si frágil.

Dado que uma pequena depreciação esperada da moeda (da ordem de 5 a 10% por ano) é equivalente a um grande prémio de taxa de juro (mais 5 a 10% por ano), esta trajetória torna-se insustentável.

Consequências de uma descida controlada da moeda e de uma redução das reservas

Uma descida controlada da moeda acompanhada de uma redução das reservas leva o mercado a antecipar uma desvalorização contínua da moeda.

Isto faz subir as taxas de juro internas, o que funciona como um travão numa altura em que a economia já é vulnerável.

Além disso, a antecipação da continuação da desvalorização estimula a retirada de capitais e a especulação sobre a desvalorização, o que aumenta o défice da balança de pagamentos e obriga o banco central a esgotar mais reservas para proteger a moeda.

A defesa monetária através do dispêndio de reservas terá de parar, pois nenhum decisor prudente quererá esgotar o que é essencialmente uma poupança nacional.

Estas sequências ocorrem geralmente pouco antes de o ciclo passar à fase seguinte, que é o abandono da moeda.

Relação entre o preço a prazo da moeda e o preço à vista

Quando uma moeda é defendida (por exemplo, através do aumento das taxas de juro, utilizando as reservas para comprar a sua própria moeda), o preço a prazo da moeda cai geralmente mais depressa do que o preço à vista.

Este é o resultado da ligação entre o diferencial de taxas de juro e o preço à vista/à prazo da moeda acima mencionado.

Se um país adotar uma política monetária mais restritiva para apoiar a sua moeda, aumentará geralmente o diferencial de taxas de juro para apoiar artificialmente a moeda à vista. Embora isso apoie a moeda à vista, a moeda a prazo continuará a cair em relação a ela.

Consequentemente, verifica-se um efeito de "whipsaw" em que a moeda a prazo tende a arrastar a moeda à vista para baixo à medida que o diferencial de taxas de juro aumenta.

A taxa de câmbio à vista acaba por recuperar quando a moeda é afrouxada (ou seja, os decisores políticos deixam de a apoiar) e a queda da taxa de câmbio à vista permite que o diferencial de taxa de juro diminua, fazendo com que a taxa de câmbio a prazo suba em relação à taxa de câmbio à vista.

Comprar à vista ou a prazo, qual a diferença?

A ineficácia dos controlos de capitais

Nesta fase do ciclo, os controlos de capitais tornam-se uma terceira alavanca (frequentemente um último recurso) que raramente se revela eficaz.

Embora possam parecer atractivos para os decisores políticos porque têm a consequência direta de reduzir o número de pessoas que retiram o seu capital do país, a história mostra que geralmente falham porque a) as pessoas encontram formas de os contornar e b) o próprio ato de tentar prender as pessoas encoraja-as a fugir.

Não poder levantar dinheiro de um país é como não poder levantar dinheiro de um banco: o medo do levantamento pode provocar uma debandada.

No entanto, os controlos de capitais podem, por vezes, servir como uma solução temporária, mas nunca são uma solução duradoura.

Duração da fase de defesa monetária

Regra geral, esta fase de defesa monetária do ciclo é relativamente curta, durando cerca de seis meses, com as reservas a serem reduzidas em cerca de 10-20% antes de a defesa ser abandonada.

CFD Brokers Plataformas Regulamentado pela Abrir uma conta de demonstração
MetaTrader 4 e 5
AvaOptions
ASIC, CBFSAI, FRSA, BVI FSC, FSCA, JFSA, OCRCVM AvaTrade
xStation 5 FCA, KNF, CySEC, BIFSC, CNMV, DFSA, FSCAXTB
MetaTrader 4 y 5
cTrader
TradingView
FCA, ASIC, CySEC, BaFin, DFSA, SCB, CMAPepperstone
MetaTrader 4 et 5
Markets Webtrader
FCA, BaFin, ASIC, FINMA, FSCA, MAS, FMA, DFSA, JFSA, CFTCIG
MetaTrader 4 e 5 FCA, ASIC, CySEC, JSC, OCRCVM, FSCAAdmirals
ASIC: Austrália, BaFin: Alemanha, BIFSC: Belize, BVI FSC: Ilhas Virgens Britânicas, BACEN e CVM: Brasil, CySEC: Chipre, CNMV: Espanha, CMVM: Portugal, CSSF: Luxemburgo, CFTC: EUA, CBFSAI: Irlanda, CMA : Omã, DFSA: Dubai, FCA: Reino Unido, FINMA: Suíça, FSPR - FMA: Nova Zelândia, FRSA: Abu Dhabi, FSA: Seychelles, FSCA: África do Sul, JFSA: Japão, JSC: Jordânia, KNF: Polônia, MAS: Singapura, IIROC: Canadá, SCB: Bahamas, VFSC: Vanuatu
A negociação de CFD envolve um risco significativo de perda, pelo que não é adequado para todos os investidores. 74-89% das contas de pequenos investidores perdem dinheiro a negociar CFDs.

FAQ - Relações cambiais à vista e a prazo

Qual é a relação entre os diferenciais de taxa de juro e as taxas de câmbio à vista e a prazo?

No sector cambial, os diferenciais de taxa de juro desempenham um papel na determinação das taxas de câmbio à vista e a prazo.

O conceito básico baseia-se na teoria da paridade das taxas de juro, que afirma que a diferença nas taxas de juro entre dois países é igual à diferença entre a taxa de câmbio a prazo e a taxa de câmbio à vista.

É essencial compreender esta relação porque ela afecta a relação entre a taxa de câmbio à vista e a taxa de câmbio a prazo.

Numa situação em que o mercado espera que uma moeda se deprecie, esta depreciação antecipada refletir-se-á no preço a prazo, que será fixado a um nível mais baixo do que o preço à vista.

A dimensão desta depreciação antecipada é frequentemente equivalente ao rendimento adicional exigido para essa moeda.

Por exemplo, se o mercado espera que uma moeda caia 5% num ano, exigirá dessa moeda uma taxa de juro 5% mais elevada para manter uma taxa de câmbio equilibrada.

Como é que a expetativa de uma futura desvalorização da moeda afecta as taxas de juro nacionais?

Quando o mercado espera que a moeda se desvalorize no futuro, isso pode levar a uma maior restritividade das taxas de juro internas.

Numa situação em que a moeda é gerida e desce à medida que as reservas diminuem, o mercado espera geralmente que esta tendência se mantenha.

Consequentemente, as taxas de juro internas são aumentadas, uma vez que os juros mais elevados compensam a depreciação esperada da moeda.

Este aumento das taxas de juro é uma forma de aperto numa altura em que a economia pode já estar fraca, aumentando as tensões económicas.

Que impacto tem a expetativa de desvalorização da moeda sobre os levantamentos de capitais e a especulação sobre a desvalorização?

A perspetiva de desvalorização da moeda conduz frequentemente a um aumento dos levantamentos de capitais e da especulação sobre a desvalorização.

Os investidores, os traders e os cidadãos que desconfiam da desvalorização da moeda podem optar por retirar o seu capital e investi-lo noutro lugar, onde os rendimentos sejam mais seguros e mais sólidos.

Isto pode também envolver outras reservas de valor, como o ouro ou os produtos de base.

Isto, por sua vez, aumenta o défice da balança de pagamentos e obriga o banco central a gastar mais das suas reservas para defender a moeda, agravando ainda mais a situação.

Como é que o preço a prazo de uma moeda se compara com o preço à vista durante uma defesa de moeda?

Quando as moedas são defendidas, é comum observar que o preço a prazo da moeda cai mais rapidamente do que o preço à vista.

Este comportamento é a consequência da relação entre o diferencial de taxas de juro e o preço à vista/à prazo da moeda.

Quando um país adopta uma política monetária mais restritiva para apoiar a sua moeda, aumenta essencialmente o diferencial de taxas de juro para apoiar artificialmente a moeda à vista.

Embora isso apoie a moeda à vista, a moeda a prazo continua a cair em relação à moeda à vista, resultando num efeito de chicote em que a moeda a prazo arrasta a moeda à vista para baixo à medida que o diferencial de taxa de juro aumenta.

O que são controlos de capitais e por que razão são geralmente ineficazes?

Os controlos de capitais são medidas tomadas pelo governo de um país para restringir o fluxo de capitais estrangeiros que entram e saem da economia nacional.

Podem assumir a forma de impostos, direitos aduaneiros, leis ou restrições de volume.

Embora os controlos de capitais possam parecer atractivos para os decisores políticos, uma vez que reduzem diretamente as saídas de capitais, a história tem demonstrado que falham frequentemente.

Há duas razões principais para este facto: a) as pessoas normalmente encontram formas de os contornar e b) prender o dinheiro das pessoas cria uma sensação de pânico, levando-as a encontrar formas de escapar.

Os controlos de capitais são, na melhor das hipóteses, uma solução temporária, mas não duradoura.

O que acontece geralmente durante a fase de defesa da moeda do ciclo?

Durante a fase de defesa da moeda do ciclo, os bancos centrais esgotam geralmente as suas reservas de divisas numa tentativa de estabilizar a moeda.

Esta fase é geralmente breve, durando cerca de seis meses, com as reservas a serem reduzidas em 10-20% antes de a defesa ser abandonada.

Este abandono é frequentemente acompanhado de repercussões para a economia, incluindo um possível incumprimento da dívida externa e uma grave contração da economia.

No entanto, cada crise monetária é única num certo número de aspectos, e a duração e a gravidade da fase de defesa podem variar.

Como é que a desvalorização da moeda conduz à inflação?

A depreciação da moeda pode conduzir à inflação através de vários mecanismos:

Inflação importada

Quando a moeda de um país se desvaloriza, torna-se mais caro importar bens e serviços de outros países.

Este aumento do custo das importações pode levar a um aumento do preço dos bens importados no mercado interno.

Consequentemente, os preços de vários produtos importados, incluindo as matérias-primas e os produtos acabados, aumentam, conduzindo à inflação.

Inflação dos custos

A desvalorização da moeda pode aumentar o custo dos factores de produção importados, como os produtos de base, a energia e as matérias-primas, que são essenciais para a produção nacional.

Quando as empresas se vêem confrontadas com custos mais elevados dos factores de produção, transferem-nos frequentemente para os consumidores, aumentando o preço dos seus produtos.

Esta inflação impulsionada pelos custos pode afetar uma vasta gama de indústrias e conduzir a um aumento geral do nível de preços da economia.

Aumento da procura interna

A desvalorização da moeda pode tornar os bens produzidos internamente relativamente mais baratos do que os bens importados.

Esta alteração nos preços relativos pode estimular a procura interna, uma vez que os consumidores e as empresas preferem os bens produzidos localmente aos importados.

O aumento da procura, por sua vez, exerce uma pressão ascendente sobre os preços, uma vez que os produtores aumentam os seus preços para satisfazer o aumento da procura, o que conduz à inflação.

Peso da dívida externa

Se um país tiver uma grande dívida externa denominada em moeda estrangeira, a depreciação pode tornar o serviço da dívida mais caro.

Para cumprir as suas obrigações, o governo pode recorrer à impressão de moeda ou a empréstimos internos, o que aumenta a oferta de moeda.

Um aumento da oferta de moeda sem um aumento correspondente da produção de bens e serviços pode conduzir à inflação.

Factores especulativos

A desvalorização da moeda pode desencadear uma atividade especulativa no mercado cambial.

Os traders e os investidores podem antecipar uma maior desvalorização e envolver-se na compra especulativa de moedas ou activos.

Esta especulação pode levar a um aumento da procura de moeda estrangeira, exercendo uma maior pressão descendente sobre o valor da moeda nacional.

Em resposta, o banco central pode intervir injectando mais dinheiro na economia, o que pode contribuir para pressões inflacionistas.

É de notar que a relação entre a depreciação da moeda e a inflação nem sempre é direta ou imediata.

Outros factores, como a política monetária e orçamental do país, a dinâmica da oferta e da procura e as condições económicas gerais, podem também influenciar os efeitos inflacionistas da depreciação da moeda.

Conclusão

Compreender a interação entre a cotação da moeda à vista e a prazo e o papel das taxas de juro é importante, não só para os decisores políticos, mas também para as empresas e os investidores/operadores comerciais que navegam na economia global.

Uma pequena alteração nas taxas de juro ou nas expectativas de uma futura desvalorização da moeda pode ter efeitos de arrastamento no valor da moeda, o que, por sua vez, pode influenciar as realidades económicas.

Além disso, medidas políticas como os controlos de capitais, embora aparentemente atraentes, raramente são eficazes a longo prazo e podem exacerbar os receios do mercado.

Uma defesa da moeda é frequentemente de curta duração, mas pode ter um impacto duradouro na saúde económica de um país.