Menu

O papel dos bancos centrais

bancos centrales

As taxas de juros influenciam fortemente o mercado de câmbio. Eles incentivam os investidores internacionais a investir seu dinheiro em moeda estrangeira, a fim de obter um alto retorno. Por muitos anos, as diferenças nas taxas de juros entre os países são os principais eixos para os comerciantes profissionais. No entanto, a maioria dos comerciantes individuais não sabem que o mais importante não é o valor absoluto das taxas de juros, mas as expectativas de taxas futuras.

Conhecer o propósito e a operação dos bancos centrais permite que os investidores tenham uma vantagem inicial na previsão de uma provável tendência de forex ou par de moedas. Para muitos bancos centrais, a inflação é uma prioridade. Se a inflação (geralmente medida pelo Índice de Preços ao Consumidor) for maior do que a meta do banco central, o negociador pode antecipar uma política monetária mais rígida. Da mesma forma, se a inflação estiver longe da meta, o banco central buscará relaxar sua política monetária. Combinando as políticas monetárias relativas de dois bancos centrais, o negociador pode então prever a tendência da paridade cambial. Se um banco central aumentar sua taxa de juros, enquanto outro mantiver sua taxa, a moeda cuja taxa vai subir provavelmente se valorizará em relação à outra moeda (salvo circunstâncias imprevistas).

Por exemplo, em 2006, o euro quebrou sua faixa de negociação e valorizou em relação à libra esterlina. Com os preços ao consumidor acima da meta de 2% do Banco Central Europeu, o BCE tem claramente procurado aumentar as taxas várias vezes. Na Inglaterra, a inflação ficou ligeiramente abaixo da meta do BoE. Sua economia não permitiu que mudasse sua taxa de juros porque estava apenas começando a mostrar sinais de recuperação. De facto, durante os primeiros três meses de 2006, o BoE foi mais favorável à redução das taxas de juro. Isto levou a uma alta volatilidade do EUR / GBP.

Reserva Federal dos EUA (FED - Federal Reserve System)

Estrutura: O Federal Reserve dos EUA é provavelmente o banco central mais influente do mundo. 90% das transacções no mercado cambial são executadas em dólares americanos, pelo que as decisões do Fed influenciam a valorização de muitas moedas. O Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC), que consiste de sete governadores do Federal Reserve e cinco presidentes dos doze distritos do Federal Reserve, estabelece taxas de juros dentro do Fed.

Mandato: estabilidade de preços a longo prazo e crescimento sustentável.

Frequência das reuniões: oito vezes por ano

Banco Central Europeu (BCE)

Estrutura: O Banco Central Europeu foi criado em 1999. O Conselho de Administração do BCE decide sobre mudanças na política monetária. O conselho é composto por seis membros do Conselho Executivo do BCE e pelos governadores dos bancos centrais nacionais dos 17 países da área do euro. Como banco central, o BCE não gosta de surpresas. Portanto, sempre que ela pretende mudar sua taxa de juros, ela avisa o mercado através de comunicados de imprensa.

Mandato: Estabilidade de preços e crescimento sustentável. No entanto, ao contrário do Fed, o BCE se esforça para manter o crescimento anual dos preços ao consumidor abaixo de 2%. A Europa tem uma economia dependente da exportação, de modo que o BCE está tentando conter a força de sua moeda para limitar o risco cambial das exportações.

Frequência das reuniões: duas vezes por semana, mas as decisões de política monetária são geralmente tomadas em reuniões, seguidas por uma conferência de imprensa (11 vezes por ano).

Banco Central da Inglaterra (BoE - Bank of England)

Estrutura: O comitê de política monetária do Banco da Inglaterra é composto por nove membros: um governador, dois vice-governadores, dois diretores executivos e quatro especialistas externos. O BoE, sob a liderança de Mervyn King, é muitas vezes considerado o banco central mais eficaz.

Mandato: Manter preços estáveis ​​e confiança na moeda. Para fazer isso, o banco central tem uma meta de inflação de 2%. Se os preços quebrarem este nível, o banco central tentará limitar a inflação, enquanto um nível abaixo de 2% incentivará o banco central a tomar medidas para estimular a inflação.

Frequência das reuniões: mensalmente.

Banco Central do Japão (BoJ - Bank of Japan)

Estrutura: O Comité de Política Monetária do Banco Central do Japão é composto pelo Governador do BoJ, dois Vice-Governadores e seis outros membros. O Japão é muito dependente de suas exportações, o BoJ tem um interesse ainda maior do que o BCE em impedir uma moeda muito forte. O BoJ tem a reputação de enfraquecer artificialmente sua moeda vendendo-a contra o dólar americano ou o euro.

Mandato: Manter a estabilidade de preços e garantir a estabilidade do sistema financeiro, a inflação é a principal preocupação do BoJ.

Frequência das reuniões: uma ou duas vezes por mês.

Banco Nacional da Suíça (SNB - Swiss National Bank)

Estrutura: O comitê do Banco Nacional Suíço é composto por três pessoas. Ao contrário da maioria dos outros bancos centrais, o SNB determina uma faixa de taxas de juros, em vez de uma taxa-alvo específica. Como o Japão e a zona do euro, a Suíça também depende de suas exportações, o que significa que o SNB também não tem interesse em ver sua moeda muito forte. Portanto, seu viés geral é ser mais conservador com aumentos das taxas de juros.

Mandato: Garantir a estabilidade de preços, tendo em conta a situação económica

Frequência das reuniões: trimestralmente.

Banco Central do Canadá (BoC - Bank of Canada)

Estrutura: As decisões de política monetária no Banco Central do Canadá são tomadas pelo Conselho de Governadores, composto pelo Governador do Banco do Canadá, o Vice-Governador Sênior, quatro Vice-Governadores e doze diretores nomeados. pelo governo.

Mandato: Manter a integridade e o valor da moeda. O banco central tem uma meta de inflação de 1-3%. Conseguiu manter a inflação nesta faixa desde 1998.

Frequência das reuniões: oito vezes por ano.

Banco Central Australiano (RBA - Reserve Bank of Australia)

Estrutura: O Comitê de Política Monetária do Banco da Austrália é formado pelo Governador do Banco Central, pelo Vice-Governador, pelo Secretário do Tesouro e por seis membros independentes indicados pelo Governo.

Mandato: Garantir a estabilidade da moeda, manter o pleno emprego, a prosperidade econômica e o bem-estar do povo australiano. O banco central tem uma meta de inflação de 2-3% ao ano.

Frequência das reuniões: Onze vezes por ano, geralmente na primeira terça-feira de cada mês (exceto janeiro).

Banco da Reserva da Nova Zelândia (RBNZ - Reserve Bank of New Zealand)

Estrutura: Ao contrário de outros bancos centrais, o poder de decisão sobre a política monetária cabe, em última instância, ao governador do banco central.

Mandato: Manter a estabilidade de preços e evitar instabilidade na produção, taxas de juros e taxas de câmbio. O RBNZ tem uma meta de inflação de 1,5%, se a meta não for atingida, o governador do RBNZ pode eventualmente ser revogado.

Frequência das reuniões: oito vezes por ano.

 

Anterior : Criação de Emprego Não-Agrícola nos Estados Unidos
Em seguida : Taxas de juros e inflação: seu impacto nas moedas