Menu

Corretor de CFD

AvaTrade  Admirals

XTB  IG

Pepperstone  

Rede social

ZuluTrade  darwinex

Criptomoedas

Binance  Coinhouse

Bitpanda

Conta financiada

FundedNext  FTMO

E8  The 5%ers

Fidelcrest  City Traders Imperium

Como investir quando a bolsa de valores cai

bolsa de valores cai

Os economistas podem discordar entre si sobre a definição exacta de um mercado de ursos. No entanto, é geralmente aceite que quando o mercado está 20 por cento abaixo do seu nível máximo anterior, é seguro assumir que o mercado está em baixa. Hoje em dia, se de alguma forma conseguir escolher o ponto baixo de um mercado de ursos, pode tornar-se milionário através da compra de acções.

Investidores e traders sentem sempre a ansiedade e o stress associados à subida e descida dos preços das acções. No entanto, para investidores experientes, os mercados de ursos são boas notícias porque podem oferecer oportunidades para melhorar a sua carteira e construí-la para uma melhor acumulação de riqueza a longo prazo.

Considere estas seis coisas a considerar quando a bolsa de valores estiver em baixa.

1. Criar uma lista de vigilância

De que serve ter uma reserva de dinheiro em caso de queda da bolsa de valores se não souber o que comprar? Não é uma boa prática tomar decisões apressadas no local. Por isso, faça e mantenha a sua lista de vigilância de stock actualizada. Comece com uma lista de empresas de que tenha ouvido falar ou lido sobre isso parece ser uma boa escolha. Poderia fazer isto à maneira antiga, escrevendo-os no papel, mas é melhor fazer uma lista online.

Pode alegar que comprou uma ou mais acções de cada título ao preço em vigor na altura em que ouviu falar sobre o mesmo. Dessa forma, a sua lista reflectirá sempre o preço actual do stock que desde então apreciou ou depreciou.

Entretanto, mantenha-se a par das empresas da sua lista e pesquise-as para as poder conhecer bem. Tente compreender como estas empresas geram receitas, quais são as suas vantagens competitivas sustentáveis, quem são os seus concorrentes, qual é o seu potencial de crescimento, e qual é a sua posição em termos de solidez financeira, tais como dinheiro e dívida.

Quando o mercado entrar em colapso, saberá quais as acções da sua lista e poderá escolher sabiamente as que são mais atractivas, susceptíveis de crescer mais rapidamente, e que lhe pagarão mais por isso. Rever a sua lista regularmente pode ajudá-lo a perceber quando o preço de uma determinada acção (mas não o preço global de mercado) cai significativamente, proporcionando-lhe uma oportunidade de compra potencialmente lucrativa.

2. Tirar partido da venda a descoberto

O problema dos mercados de ursos é que eles são duros nas boas acções, mas impiedosos nas más. Quando os stocks maus caem, podem permanecer numa trajectória descendente durante muito tempo. No entanto, isto pode dar-lhe uma oportunidade de obter lucros quando estes continuam a cair.

Quando um mau stock cai, a tendência é para uma quebra mais intensa, à medida que cada vez mais investidores se interessam por ele e descobrem que as finanças da empresa são instáveis. Os accionistas farão um curto-circuito nas acções e farão uma coisa má quando estas continuarem a cair.

Mas lembrem-se, é muito arriscado apostar num stock em queda. Se comete um erro e o stock sobe, fica exposto a perdas ilimitadas. Uma melhor maneira de apostar numa acção que está a descer é comprar opções de venda a longo prazo. Isto dá-lhe uma oportunidade de ganhar se estiver certo de que o stock continuará a diminuir.

3. Diversificar para mitigar o risco

Muitas pessoas não se apercebem de que é mais seguro ter mais investimentos do que menos. A estratégia de investimento de diversificação permitiu a inúmeros investidores colherem milhares de milhões de euros de retorno ao longo dos anos. Permite-lhe obter rendimentos médios mais elevados enquanto reduz o risco, porque é improvável que todos os seus investimentos se deteriorem ao mesmo tempo.

Por exemplo, se investir as suas poupanças numa empresa que é muito popular neste momento e está envolvida num escândalo, poderá perder todo o seu dinheiro. Mas se esse stock representa apenas uma pequena percentagem da sua carteira total, a perda é negligenciável. Para mitigar o risco de mercado, é essencial criar um mix de investimento que se adapte às condições de mercado de várias formas.

Para muitos investidores, especialmente aqueles que não querem seguir uma carreira na selecção de acções, a compra de acções individuais não é a melhor prática. É muito arriscado devido à volatilidade dos preços das acções e à sua tendência a flutuar amplamente. Arriscar com uma ou duas acções vencedoras não é um investimento inteligente e estratégico, mas é mais como um jogo de azar.

A boa notícia é que é fácil e acessível construir uma carteira diversificada simplesmente através da compra de acções de um fundo mútuo de baixo custo ou de um fundo negociado em bolsa (ETF). Os fundos criam uma mistura de investimentos em acções, obrigações, activos e outros títulos e agrupam-nos em pacotes convenientes de compra porque são constituídos por vários investimentos subjacentes.

A diversificação por si só não aumenta necessariamente o retorno dos seus investimentos. Reduz simplesmente o risco do seu investimento e dá-lhe mais segurança e controlo, mantendo o fluxo de retorno intacto. Se o preço das acções de um fundo cair, não há necessidade de se preocupar porque é proprietário de centenas ou milhares de outras acções que não estão a mover-se na mesma direcção. Algumas delas podem mesmo aumentar de valor.

4. Decida qual é o seu "ponto de ruptura".

Pense nisto como o ponto em que a junta explode numa determinada segurança quando o mercado cai. Pode orgulhar-se de ser um investidor intrépido, ao ponto de o seu nível de tolerância ser demasiado elevado. Mas há muitos investidores que receiam a queda dos preços.

Se descobrirem que as suas perdas a curto prazo estão a piorar a cada dia, tendem a desistir de correr o risco. É aí que muitos deles congelam e não fazem nada. Não analisam a situação sabiamente e não aproveitam a oportunidade de comprar ou vender. No entanto, alguns investidores chegam ao extremo de tomar medidas drásticas e de prejudicar involuntariamente as suas carteiras.

Muito francamente, a menos que se passe por uma ou duas épocas de mercados de ursos, é muito difícil ver se se tem um ponto de ruptura ou onde ele se encontra. Para o ajudar, sugerimos o seguinte exercício. Suponha que tem actualmente uma carteira de investimentos de 250.000 euros e pensa que se ficar abaixo dos 150.000 euros, será um naufrágio financeiro. Isto significa que pode resistir a uma perda de cerca de 100.000 euros - que é agora o seu ponto de ruptura. Neste caso, uma perda de 40% é tolerável (ou seja, 100.000 euros) e pode ser ultrapassada. Mas se a queda for superior a 40%, que é o seu ponto de ruptura, terá de vender.

5. Foco nos stocks de valor, não nos stocks "de sonho".

Os crashes bolsistas nem sempre são eventos negativos, pois podem ser boas oportunidades de compra para aqueles que se prepararam para tais episódios. Quando olha para a sua lista de observação, mostra-lhe todas as acções que quer comprar e pode ver o quanto elas caíram. Também é possível encontrar outras acções interessantes lendo, observando ou ouvindo os meios financeiros.

Neste processo, deve prestar especial atenção às acções que pagam dividendos. Por um lado, porque são bons investimentos por direito próprio e, por outro lado, porque o seu rendimento de dividendos tende a aumentar quando caem. Este é um resultado matemático que ocorre devido à forma como eles calculam o rendimento de dividendos - o total anual de dividendos de uma acção dividido pelo seu preço actual.

Tomemos, por exemplo, uma empresa que paga 0,50 euros por trimestre por acção, ou 2 euros por acção por ano. Digamos que foi de 80 euros por acção antes da queda da bolsa e desce para 40 euros por acção após a queda. O dividendo permanece o mesmo, mas algumas empresas em dificuldade podem decidir reduzir ou parar o seu dividendo. Se dividir 2 euros por 80 euros, obtém 0,025, o que corresponde a um rendimento de dividendos de 2,5%. Mas se dividir 2 euros por 40 euros, receberá 0,05, o que corresponde a um rendimento de dividendos de 5%. Se o preço cair ainda mais para 20 euros por acção, obterá um rendimento de 10%.

É por isso que as quedas do mercado são boas notícias para os investidores de dividendos. Não só aumentam o seu rendimento de dividendos, como são também uma excelente fonte de stocks baratos que lhes podem dar um excelente crescimento quando o mercado se recupera.

6. Seja paciente

Os mercados de ursos podem revelar a tenacidade e determinação de todos os investidores, incluindo os profissionais. Embora possam ser uma época de insegurança financeira, a história ensina-nos que não duram realmente muito tempo. Se planeia reformar-se dentro de 10 anos (ou mais), não precisa de se preocupar com um mercado de ursos.

Os mercados de ursos destacam frequentemente boas acções que normalmente podem dar-lhe uma vantagem no mercado de touros que se segue. Por isso, não tenha demasiada pressa em retirar de um stock. Preste atenção aos principais sinais financeiros da empresa (tais como crescimento de vendas e ganhos, etc.) e, se estiver a ir bem, mantenha o stock. Tirar partido dos dividendos e deter as acções enquanto estas flutuam a longo prazo.

Certifique-se sempre de que tem liquidez fora do mercado. Isto significa manter dinheiro na sua conta de negociação, ou em qualquer outro lugar onde seja fácil de o obter se precisar dele. Terá de estar preparado para a batalha durante algum tempo, à espera que as ondas da bolsa de valores venham na sua direcção.

Comparação de corretores de bolsa

Corretores
Taxas de corretagem Equidades Sem comissões para um volume máximo mensal de 100.000 euros e depois 0,20%.
Conta de demonstração Sim
A nossa opiniãoTrading sem comissões, mas com uma escolha de títulos limitada a 3.289 acções e 358 ETFs.
  XTB
O investimento envolve risco de perda